sexta-feira, 17 de abril de 2009

A geladeira



A geladeira


Meu relógio marcava sete e quarenta e cinco numa segunda feira 15 de novembro acabara de chegar do trabalho, abri a porta de casa e entrei, joguei as chaves sobre a mesinha da sala fui ate a geladeira então logo que abri tive uma surpresa... a porra do leite tinha acabado fiquei com muita raiva comecei a chingar .....de- repente uma voz suou la de dentro .........seu tempo aqui acabou ali começava meu drama fui sugado para o mundo da imaginação; não acredita? Pergunte a mamãe onde ela me internou ... fui sugado para o mundo das letras e nunca mas voltei .....
Não acredita? Pergunta pra mamãe onde ela me internou.
Noite de vento frio na cidade das letras vejo ratos cruzando meu caminho, tudo aqui fede lixeiras abertas e mendigos dormindo nas calcadas escuto barulhos de carros e bares abertos penso....essa porra e como la não muda nada .
Rasteiro e lento e o meu caminhar , atravesso a rua passo perto de uma igrejinha tem muitos fieis rezando penso.....e sempre a mesma enganação pois miséria tem de sobra ,
viro a esquina entro num beco escuro não tem ninguém do outro lado um casal namorando tiro um cigarro do bolso e fumando penso.. novamente .... isso ainda vai me matar se e que já não estou morto porra maior neurose.
Cheguei a estação desci a escadinha para pegar o trem ........ estou com sorte não demorou a chegar entrei e sentei esta vazio tem uma senhora fazendo bordado dois homens conversando um deficiente se arrastando em cima de um skat ninguém pode imaginar como me sinto em relação a isso esse mundo das letras é muito engraçado não tem nada de diferente do outro e sempre a mesma merda. Não acredita? Pergunte a mamãe onde ela me internou . Todos os dias me faço a mesma pergunta:- Onde estou? Quem sou eu? A mamãe nunca jamais me respondeu. Acho que sou aquela casa velha de paredes rachadas da rua da solidão que fica na esquina das saudades perto bairro da tristeza. Quando eu era garoto admirava os mais velhos ouvia sempre suas estorias, um dia ouvir dizer que antes de morrer veria minha vida passar toda na minha frente seria como um fleche imaginei e me perguntei? Oque eu teria pra ver ?ódio que tinha de estudar ir a escola era como morrer detestava a arrogância dos professores sempre agiam como se soubessem de tudo. Mao sabe eles que na vida aprendemos todos os dias
seria legal ver meus amigos novamente. garotas há as garotas que tiravam meu sono e sossego seria ate engraçado ver essa porra novamente..
estou deprimido esta noite enquanto este monte de ferro velho segui nos trilhos
lembro..me do domingo mas triste da minha vida ... meu irmão morreu nele..tem 10 anos isso sei que pra muitos isso não interessa meu irmão morreu de câncer incrível como essas coisas atinge a gente , eramos seis ele era o mas novo. Quieto e tranquilo vivia sua vidinha normal escola musica passava seus dias dentro de casa .. der repente báfiti ... o câncer apareceu durou apenas três
meses lembro..me da noite que ele foi embora eu estava numa festa caipira e todos ao meu redor dançavam quando o silencio tomou conta de mim e no lugar do colorido da quadrilha todos tomaram a forma de caveira as roupas ficaram pretas um circulo rodando em câmera lenta . E a lagrima caiu do meu rosto no mesmo instante pensei.. meu irmão foi embora .. não acredita? Pergunte a mamãe, ela vai te responder em que hospício ela me internou.....
agora estou aqui sentado neste banco frio com estes personagens sem textos e rostos ... lembro do sonho que tivera na noite passada era algo perturbador.. eu estava num caminho. Neste caminho não avia volta caminhando me encontrei perdido procurava algo que explicasse minha existência bastarda e gritei bem alto ...tem algum ai? Logo adiante avistei uma pedra , sentado nesta pedra um velho ancião seu rosto era a própria desgraça seu nome Zaratustra peguntei?com minha voz groseira oque faz parado no meu caminho seu velho imundo?e Zaratustra respondeu... estou aqui seculos e seculos e tu me faz a mesma pergunta primeiro passou deus depois veio o tempo e com ele o lamento e o arrependimento verões outonos e invernos as folhas coiram de suas arvores a terra secou
o homem se foi depois voltou .....ande passe logo daqui a pouco vai me amolar com suas perguntas imbecis já estou vendo você vindo atrais de você mesmo esse eterno retorno me cansa as vezes ande suma da minha frente criatura bizarra
Não acredita? Pergunte a mamãe em que lugar ela me internou..
Vou consumir me consumindo ate sumir . Virar a pagina desta vida girar o botão mudando essa velha estacão os filmes da tv não me interessam cobiça e pretensão consomem pensamentos as esquinas e becos escuros abismo profundo carcere dos habitantes moribundos tem lugares em mim que eu não conheço nunca habitou o existir vejo a velha locomotiva estacionada no tempo com seus passageiros perdidos submetendo..se aos piores castigos talvez por estarem sempre apaixonados..
Eu conheço seus defeitos, eu conheço suas historias; eu conheço seu cinismo sua pose de artista num palco velho encenando uma comedia de um canastrão falso e sem a menor graça repetindo sempre a mesma piada tão velha e por muitos já contada sou assombrado por mil fantasmas do passado não acredita?
Pergunta a mamãe em que buraco fui internado...................

3 comentários:

Paulo Henrique disse...

Pronto,já li o que vc escreveu no seu blog e eu a muito tempo falava que vc tinha que ter um,demorou mas acabou chegando,vida longa a ele.................fhrufhd cx x vjdwidheyr4urbejcdncbeyeyww63543vx xbaavaajaqfsAQAQ

Rodrigo Yves disse...

Rapaz, o texto está fenomenal, a descrição beira a perfeição, de fato me tocou esta crônica. Continue o bom trabalho...



Abraços

Eddy Fantasia disse...

Resposta ao Rodrigo.
muito obrigado pelas suas palavras, sei que elas foram sinceras. Me emocionei muito ao ler, pois tudo que me vinha era de alguém conhecido.
obrigado de coração.