sexta-feira, 19 de junho de 2009

Crônica de um brasileiro desesperado II



Impunidade

Está escultando Coronel? Eles chegaram, já estão deitados na pracinha em baixo do coreto, todo mês antes do natal é a mesma coisa. Que pouca vergonha!
O Senhor tem que tomar providencias, eles são sujos, transmitem doenças. Brasília é um patrimônio histórico não pode ser invadida desta maneira por estes vândalos bêbados .Vamos Coronel ,tome uma atitude mostre pra eles quem é que manda ...
O que devo fazer?
Se imponha e honre sua farda, restabeleça a lei e não adianta chamar a policia militar esses despreparados não vão poder agir são apenas cães do governo.
Mas não posso fazer isso por contra própria, está na constituição, eles tem o direito de ir e vir ,
Vai me dizer que agora acredita num monte de papel escrito por homens que nunca honraram este país ?São apenas linhas escritas um monte de blá blá blá, ninguém vai ligar se o senhor chegar lá, estará apenas defendendo sua cidade, seus vizinhos esperam isso de você. Tem escolas aqui no bairro, já pensou se eles resolvem ficar? Aí meu querido, estará implantado a anarquia geral, você não quer que nada de ruim aconteça aos seus netos, certo ?
Não, claro que não
Vamos, honre sua farda. Vê se pára de suar frio, isso não é bom.
Por um momento a conversa é interrompida ....
Venha deitar Mauro já é tarde o que faz ai no escuro? Já é a terceira vez que te pego falando sozinho...
Não de ouvidos a sua esposa, mulheres, ahh ! Em quanto elas dormem estamos aqui acordados tentando achar uma maneira de protege- las.
Vai dormir Maria , vê se me deixa .
Isso! gostei, agora vista sua farda Coronel o dever lhe chama. Olha o que eu trouxe para o Senhor, seu revólver, já faz tempo que não o usa.Lembra da ditadura, como era as coisas neste país?
Mulher vou dar uma volta, preciso esfriar minha cabeça ...
Mas uma noite de céu estrelado em Brasília. Vento frio, alguns porteiros dormindo outros distraídos, ninguém sabe ninguém viu , poucos carros nas ruas , silêncio moribundo, de-repente cinco tiros... lá vai a impunidade correndo pelos belos cartões postais da capital federal ....

homenagem a todos que morreram injustamente, nas ruas do distrito federal e entorno.

2 comentários:

Paulo Henrique disse...

Texto curto e extraordinário.Eu sei q vc nao asistiu o TUDO BEM do JABOR,tem uma levíssima semelhança...

Eddy Fantasia disse...

ser comparado a jabor, caralho e o maximo! realmente nao vi,,,