sábado, 1 de agosto de 2009

O Vegetal e o tempo



O vegetal e o tempo...
A duzentos quilometros por hora... Isso foi apenas um sonho.
-Vamos cara, me dá essa cerveja aqui, quem é que manda? Sinta esse motor,eu sou demais...olha isso,nao tem pra ninguém,vou acelerar tudo...
- Cara estou ficando com medo.acho que bebemos muito.Cuidado tem um cachorro na pista !
- Caraca meu irmao, fudeu !
O vegetal...
Eu sou o tempo não ouse me desafiar, eu tenho barbas longas e feições ternas. Comemore ,a morte foi driblada , ela escolheu seu amigo, lembra? Não chore pois lágrimas não vão adiantar agora. Sou cruel com quem me desafia, agora está solitário nesta cama, na verdade você sempre foi solitário, mesmo quando achava... se bem, acompanhado por vários mentirosos que o cercava nas noites de quinta, eu sempre estava ali te observando, inalava o cheiro podre vindo dos corredores de hotéis baratos, entrelaçados em lençóis de baixa classe estava sempre com alguma mulher burra que só se preocupava com a cor dos sapatos vermelhos de salto comprado em algum brexó vagabundo.
-Vamos veja quantas noites sua mãe ficava acordada te esperando, agora ela está no quarto ao lado dormindo tranquila pela primeira vez na vida, vou te dar um alento nunca fiz isso por ninguém,tudo agora vai estar tranquilo, antes tinhas olhos mas nunca enchergou a beleza da vida,braços e desprezou em vez de abraça-la, basta sentir. Você agora é uma planta esperando a caridade alheia mas não se preocupe até que a morte venha vai ter sempre alguém com pena de você.
vegetal não adianta pedir misericórdia aos deuses eles não não podem te ouvir , apenas permaneça enterrado com suas lembranças que vão fazer você sofrer, sinta- se livre abra suas asas... ah! lembre-se que eu tenho barbas longas e feições ternas mas eu sou muito cruel, eu adoro os jovens pois eles estão sempre a me desafiar, grupinhos eu os adoro, vivem enchendo os hospitais e as cadeias. Quando a morte siplesmente vira as costas e vai embora, temos herarquias aqui. Eu estou sempre passeando nas ruas vejo a calamidade pensa que eu ligo? não estou nem ai pra vocês.Sofra, sinta dor, essa é a melhor parte....
Pensamentos do vegetal:..
Por favor peço misericórdia, mamãe me ajude, Deus me escute, eu quero morrer. Tempo vá, não me deixe aqui com esses fantasmas cheio de rancor e lembrancas.
-Isso, grite ninguém pode te ouvir.Pra você deitado nesta cama o relógio vai bem devagar.Lembra-se , eu sou aquele dos asilos ,o balanço das cadeiras dos velhos esquecidos pela morte,ou aquele que brinca com o amor dos amantes ,vou os torturando indo bem devagar fazendo com que eles esperem pela pessoa amada que nunca vem . A morte pode ser driblada mas o tempo jamais...

4 comentários:

Paulo Henrique disse...

"EU SOU O TEMPO,NÃO OUSE ME DESAFIAR,EU TENHO BARBAS LONGAS E FEIÇÕES TERNAS..."
Grande frase,grande frase,mereceria estar em alguma peça teatral Shakespereana,teatro do século xv,muito boa mesmo,pincei esta frase do conto,valeu...

Anônimo disse...

Muitas pessoas fazem de suas vidas o que querem e quando não há mais jeito pedem para morrer sem saber que o TEMPO e a MORTE não andam juntas e o tempo que lhe restam não é o suficiente para refazer ... e só restam lembranças ....
Este é um bom texto para se refletir o que tu fazes com sua vida pois o tempo passa e a morte chega .

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
jessica disse...

com certeza somos nós q escolhemos o q queremos...msm ser um vegetal eh escolha nossa... e qntas vezes somos vegetais sem nos darmos conta, deixamos d lado as coisa q realmente importa, adiamos nossa felicidade pra amanha. No meu ponto de vista ser um vegetal nao eh tao ruim assim pelomenos tera bastante tempo para pensar e ver o q realmente importa.